Micro franquia é opção acessível para empreender ou diversificar negócio

Cliente: 
Postado em 08/08/2013

Modelo pronto, com processos, ferramentas de tecnologia e plano de negócios, faz com que as micro franquias sejam opções acessíveis para o empreendedor que busca o negócio próprio

Ter uma micro franquia é uma excelente opção para empreendedores que buscam o negócio próprio, mas não querem começar uma empresa do zero. “Com um modelo pronto, com processos e plano de negócios, os riscos são menores e a possibilidade de dar certo é muito maior”, aponta Igor Furniel, diretor-executivo da Templum Consultoria Online, empresa que em apenas 90 dias do início de seu processo de expansão já conta com 11 licenciados.

De acordo com a ABF (Associação Brasileira de Franchising), o setor de franquias cresceu 16,2% em 2012, atingindo 103 bilhões de reais de faturamento. Para 2013, a estimativa de crescimento é de 15%. De 2002 a 2012, o número de unidades franqueadas no Brasil saltou de 56 mil para 104 mil.

Após desenvolver carreira na área contábil, na empresa da família, o mineiro Átilla Ferreira decidiu investir na micro franquia de consultoria de serviços da Templum Consultoria Online. O foco da empresa está na consultoria e implementação de sistemas de gestão como a norma ISO 9001 voltada à qualidade.

Ferreira conheceu a Templum como cliente, quando a Contabilidade Inconfidência buscava um parceiro para implementar a norma de qualidade. Após o fechamento do negócio, Ferreira vislumbrou uma oportunidade de negócio.

Ferreira e a Contabilidade Inconfidência são sócios na unidade Belo Horizonte da Templum. “Escolhemos a Templum pelo perfil inovador e moderno. Temos certeza que a parceria vai render muitos frutos para o nosso grupo de empresas”, afirma.

O custo inicial para o licenciamento da Templum é de R$ 40 mil. A empresa cobra uma taxa de 40% sobre o faturamento mensal e exige uma estrutura mínima para o negócio de 1 sala comercial, infraestrutura básica, 2 vendedores, 1 assistente comercial e 1 sócio gestor. No modelo desenvolvido, a matriz faz toda a prestação do serviço.

“No caso da Templum, o empreendedor recebe, ao se tornar licenciado, treinamentos, ferramentas de tecnologia para gestão, assessoria de comunicação e procedimentos operacionais e administrativos. Além disso, tem o fato de a marca já estar consolidada no mercado e termos clientes espalhados pelo Brasil”, aponta Furniel.

Diversificação do negócio

A Inmetra, empresa paulista fundada 1995, cujo foco está em engenharia de segurança do trabalho, viu na Templum a oportunidade de diversificar o negócio e alavancar ainda mais a empresa.

“Vimos uma oportunidade de oferecer um serviço agregado à nossa carteira de clientes, que hoje ultrapassa as mil empresas. Tivemos ótimas referências e achamos o modelo de negócio inovador”, afirma Jordão Fábrega, sócio-proprietário da empresa.

A expectativa de Fábrega é que, dentro de 1 ano, 30% dos clientes ativos da Inmetra tornem-se também clientes dos serviços da Templum. “A intenção é fortalecer ainda mais a nossa marca e incrementar nosso faturamento”, explica.

De funcionário a licenciado

João Henrique Teixeira trabalhou na Templum por dois anos na área comercial. Em 2011, ganhou o prêmio de melhor gestor, tendo vendido mais de 1 milhão de reais. “Meu sonho sempre foi ter uma franquia da Templum. Quando a empresa abriu esta possibilidade, não tive dúvidas. Já conhecia muito bem os serviços e acredito muito no negócio”, afirma.

“Já tinha todos os caminhos do negócio, que considero seguro e com potencial altíssimo de crescimento. Sabia exatamente o que fazer e confio na prestação de serviços da empresa, que sempre buscou a excelência. Isso me deu muita tranquilidade. O risco de não dar certo é baixo. O caminho existe e já foi trilhado”, diz.

No Pará, um mercado a ser desbravado

A paraense Silene Sampaio trabalha com sistemas de gestão da qualidade há mais de 12 anos. Já teve a própria empresa e hoje trabalha como consultora autônoma do programa PBQP-H (Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade no Habitat), instituído pelo Governo Federal com o intuito de organizar o setor da construção civil.

Desde junho Silene é licenciada Templum em Belém (PA). “Temos um mercado enorme para desbravar. Nossa expectativa é muito grande. O Pará é grande e tem um déficit em se tratando de normas de qualidade”, diz.

A consultora cita a Vale, a Usina de Belo Monte e o projeto de produção de biodiesel da Petrobras como fatores que deverão alavancar a procura por sistemas de gestão. “As empresas que quiserem ser fornecedoras nestes projetos terão de se adequar a normas internacionais”, detalha.

Silene vai trabalhar com o marido Marcelo Nóbrega, profissional de vendas que largou emprego em uma grande editora para se dedicar ao novo negócio. “Há uma carência muito grande por gestão profissional aqui na região. Por conta disso, acreditamos em um crescimento muito forte nos próximos anos”, diz Nóbrega.

Recomendações para quem quer investir em micro franquias

Uma das mais importantes recomendações para quem quer investir em uma franquia é ter afinidade com o segmento e ter noção clara de como será a rotina da empresa.

Outro ponto importante é entender como o sistema funciona e conhecer os direitos e deveres do franqueado. “Além de estar ciente do que está assinando, o licenciado tem de estar preparado para assumir o papel de gestor do negócio”, aponta Furniel.

É importante destacar que a liberdade do franqueado não é a mesma de quem tem um negócio construído do zero. Existem regras e cláusulas estipuladas em contrato que devem ser seguidas à risca. “O ponto positivo é que o franqueado vai receber processos prontos e já consolidados”, diz o diretor-executivo da Templum.

O aspirante a franqueado também deve ter capital suficiente para bancar o primeiro ano do negócio. Caso contrário, o sonho pode virar um pesadelo. “É importante que as projeções de vendas sejam realistas e de acordo com a realidade regional. É melhor ser conservador e se surpreender do que ser muito otimista e frustrar-se com os primeiros meses”, aponta Furniel.

Sobre este ponto, aliás, Furniel recomenda que o empreendedor conheça muito bem a estrutura exigida e o que é necessário para colocar a franquia de pé. “O interessado em uma franquia deve colocar na ponta do lápis todos os custos diretos e indiretos para se colocar um negócio de pé e não se iludir com negócios milagrosos e dinheiro fácil”.

O franqueado deve também fazer um estudo sobre a empresa – desde quando está no mercado, quem são seus sócios e clientes, além de conversar com outros franqueados. “Segurança é fundamental. Quanto mais informação, melhor”, recomenda Furniel.

Por último, mas não menos importante, o franqueado deve saber exatamente qual o suporte terá da franquia. “Passar por treinamentos e imersões no negócio fazem o empreendedor girar na mesma frequência e compreender com muito mais profundidade o negócio”, finaliza o diretor-executivo da Templum.

 

Mais informações sobre o licenciamento da Templum: www.templum.com.br/licenciamento/